Oahu, Havaí – 7 dias no paraíso

O Havaí é arquipélago com oito ilhas no meio do Oceano Pacífico e um dos cinquenta estados americanos, mas de tão longe nem parece que faz parte dos Estados Unidos. O lugar é um paraíso e tem tantas coisas legais que nem sei por onde começar.

Haleiwa Beach, North Shore


– O que fazer

PRIMEIRO DIA

• Hanauma Bay – Há uns 32 mil anos esse lugar era um vulcão, depois de inativo e com a água do mar batendo em um dos lados houve um colapso, o mar “invadiu” e formou essa praia linda com corais, peixes e tartarugas. Um ótimo lugar para mergulho. Nessa época do ano a correnteza estava bem forte em algumas partes e precisava se esforçar um pouco para não bater nos corais.

Estacionamento: 1$ por casso
Entrada: 7,50$ por pessoa. É uma área de preservação natural e por isso precisamos pagar para entrar.

• Sandy Beach

• Halona Blowhole Lookout e Eternity Beach

• Waikiki Beach – Essa praia ficava a um quarteirão do nosso hostel e por isso passamos muito tempo por lá. É uma praia bem turística, então não tenha vergonha de comprar a boia mais tosca que você achar e se jogar no mar hahaha. Lá é também um dos melhores lugares para ver o pôr do sol em Oahu, acho que o mais lindo que já vi na vida.

• Duke Kahanamoku Statue – Nadador, ator, surfista e medalhista olímpico, o Duke foi o cara que transformou o Havaí em um dos maiores picos de surf e por sua causa o surf se espalhou pelo mundo. A estatua em Waikiki em sua homenagem leva uma lenda… Se você colocar um colar de rosas nas mãos dele, você terá sorte na vida ou voltará pro Havaí um dia. Ter solte e voltar pro Havaí dá na mesma, né?! Então bora colocar muitos colares lá.

Kuhio Beach Park  – Aqui acontecem shows de hula gratuitos às terças, quintas e sábados das 6 às 7pm. Vale muitooo a pena assistir, a cultura havaiana é muito real e ver eles dançando e cantando é uma experiência incrível.

SEGUNDO DIA

• Koko Head Trail (Koko Crater Stairs)MA-NO! Precisamos falar sobre esse hiking, então senta aí que eu vou contar! haha

Nós já sabíamos que essa era a “trilha” mais cansativa da ilha e por isso decidimos colocar ela primeiro, já que era começo de viagem e não estaríamos tão cansadas. Na verdade não tem muita trilha, pedras ou escaladas, é escada de cima a baixo, 1048 degraus que vão ficando cada vez mais inclinados. Aqui era uma antiga linha de trem que levava ao topo da cratera do Koko Head, formada por um vulcão inativo.

Tem um trecho onde as escadas não tem chão, são só tiras de madeira e um vão embaixo daqueles que você prefere nem olhar. Essa parte a gente não sabia, aí estávamos subindo e de repente bate um desespero que subimos de quatro e descemos assim:

Quem aqui tava com medo? haha

É realmente muito exaustivo, parei várias vezes para me recuperar e achei que não iria conseguir chegar no topo, mas a vista vale muito a pena e chegar lá em cima da uma sensação incrível de superação psicológica e física. Levamos em torno de uma hora para subir e uns 40 minutos para descer.

É bom levar água, não levar muito peso e chegar cedo para encontrar lugar no estacionamento.

• Explorar a parte leste da ilha – Ir parando de praia em praia: Makapu’u Beach, Bellows Field Beach, Waimanolo (Kaiona) Beach, Lanikai Beach e Kailua Beach.

Makapu’u Beach
Essa praia é sensacional e só de chegar você já encontra essa vista que te deixa sem ar e parado por alguns minutos. Infelizmente as ondas estavam muito fortes e não deu pra entrar na água.

Makapu’u Beach Tide Pools
Lá também tem essas piscinas naturais que ficam ainda mais legais no verão.

Kailua Beach
Que praia deliciosa, as ondas estavam bem fortes mas deu pra nadar.

Lanikai Beach
Outra praia linda da parte leste! É incrível como cada praia tinha um tom de azul diferente.
Opção de hike: Lanikai Pillboxes. Em torno de 1h de trilha mas o acesso é por parte privada, então tomar cuidado porque tem áreas que são proibidas e se te pegarem você precisa pagar 200$ de multa. A gente não quis arriscar e fugimos de todas às áreas proibidas.

TERCEIRO DIA

• Makapu’u Lighthouse – Trilha de 30 minutos e bem tranquila. O chão é asfaltado e não é muito inclinado para subir. Estacionar no Makapu’u Lookout, perto da entrada do Kawi State Park onde a trila começa.

• China Walls

• Maunalua Bay

• Manoa’s Fall

• Dead man’s catwalk hike – Outra trilha que tem acesso por propriedade privada e pode ser perigoso.

• Kahanamoku Lagoon – Lagoa e praia em Honolulu de frente para um hotel.

QUARTO DIA

• Pearl Harbor – É um lugar bem legal pra visitar, entender a história e ver um submarino de perto. Se chegar cedo da para pegar tickets de graça. Mas acho que morar nos Estados Unidos me deixou ainda mais de saco cheio das guerras e então fiquei bem pouco por lá.

• Explorar a parte Oeste da ilha – Essa é a parte mais tradicional de Oahu e também a mais “perigosa”. Não nos sentimos ameaçadas mas nos avisaram para tomar cuidado. Levar snorkel porque dá para fazer mergulho em muitas praias.

Ir até Ka’ena Point e na volta ir parando de praia em praia: Keawaula (Yokohama Beach), Kaneana Cave, Makaha Beach, Kahe Point Park (Eletric Beach), Ko Olina Beach/Lagoon (Secret Beach).


As montanhas mudam completamente o cenário desse lado da ilha

Atenção nessa área porque tem muitos golfinhos. Estávamos passando de carro e quando vi, parei e sai correndo no meio da estrada. Não da pra ver muito bem na foto mas eram muitos e pra quem odeia ver os animais presos em aquários como eu, ver-los nadando tão livres, pulando felizes… Foi incrível! Essa parte foi perto do Makua Millitary Reservation.

Praia secreta, dentro de condomínio fechado, mas que pode entrar. Água bem limpinha, com corais e peixes lindos. Se der sorte da pra ver tartarugas e focas.

• Paradise Cove Luau – Luau Tradicional 85,00

• Ewa Beach

QUINTO DIA

Finalmente chegamos ao famoso North Shore e fomos recebidas assim:

O arco-íris mais real que eu já vi na vida. Ursinhos carinhosos nenhum conseguiriam explicar haha

• Dole Plantation – O Havaí é conhecido como grande produtor de abacaxi, então fomos nessa plantação atrás de uma boa foto, assim como fazemos com as abóboras no Halloween. Mas não encontramos muita coisa. Tem uma lojinha, passeios de trem pela plantação etc. Mas como tudo paga, não ficamos.

• Haleiwa e Haleiwa Beach – É uma cidade pequena de surfistas com lojinhas, restaurantes e um centrinho bem legal. E depois vale dar uma passada pela praia que é bonita, mas estavam com ondas bem grandes e correnteza, como a maioria das praias do norte no inverno.

• Three Tables Beach (ou Pupukea)

• Shark’s Cove  – Uma ótima área para fazer mergulho, água bem clara e com os peixes mais bonitos de toda a ilha. Mas tem que tomar cuidado porque tem muitas pedras com espinhos e nós vimos um bicho muito estranho que parecia perigoso. Nem sei dizer o que era e ele ficava camuflado nas pedras.

• Waimea bay – Waimea estava com a água tão azul e tão linda que não resisti e entrei na água mesmo com ondas grandes. E tem que tomar cuidado porque depois de alguns passos já estava bem fundo.

• Waimea Valley – Trilha e cachoeira.

• Sunset Beach – Dizem que o pôr do sol de lá é lindo, mas o dia que fomos estava bem nublado e não deu para ver.

• Banzai Pipeline – Todas as cenas de filmes e todos os documentários do Canal Off não podem explicar a sensação de estar em Pipeline. Que sonho! Claro que não conseguimos nem molhar os pés na água de tão forte perigoso que estava       , mas assistir tudo aquilo de perto foi incrível. Nessa época do ano acontece o Billabong Pipe Masters e a praia estava cheia de surfistas. As ondas eram tão fortes, principalmente no final do dia que faziam um barulho muito alto e a areia chegava a tremer. Procuramos o Gabriel Medina e o Kelly Slater mas só encontramos o Flávio Canto hahaha, sério!

SEXTO DIA

• Diamond Head Crater Trail – Trilha no meio de um vulcão inativo a 150 milhões de anos e um dos cartões postais de Honolulu. Ok que o Koko Head e a Hanauma Bay também são vulcões inativos, mas o Diamond head ainda tem o formato de um vulcão, o que torna a vista muito mais incrível. 30 minutos de trilha não muito cansativa e com estrutura.

Entrada: 1$ por pessoa ou 5$ por carro.

• Pulo de Paraquedas – Skidive Hawaii – Momento pânico/aventura da viagem!

Eu tenho medo de altura mais do que tenho medo do mar e eu estava literalmente em pânico e pensei em desistir várias vezes. Só de assistir vídeos na internet eu já ficava me tremendo inteira, juro! Mas eu também precisava fazer isso pelo menos uma vez na vida.

Chegando lá os funcionários e instrutores do Skidive Hawaii estavam super descontraídos, brincando, saltando descalços e tinha tanta gente pulando que o meu medo foi passando. Fiquei bem tranquila mesmo e só com aquele medo e ansiedade natural. A parte que mais da medo é quando você chega perto da porta e a parte mais legal, advinha? A queda livre e essa vista maravilhosa. Eu só conseguia gritar, sorrir e olhar pra baixo. Uma sensação inexplicável. E tudo é muito rápido… Em 10 minutos você já está no chão de novo.

Preços
O salto: 170$ (Precisa agendar e pagar 50$ com antecedência).
Fotos: 100$
Vídeo: 100$

O processo para pular de paraquedas demora e levamos a manhã inteira por lá. Depois voltamos pra North Shore para passar o resto do dia e repetir os lugares que mais gostamos.

SÉTIMO DIA

Ficamos em Waikiki aproveitando a praia e se despedindo do paraíso, voltando em alguns lugares próximos ao hostel que havíamos gostado. Mas outras opções para aproveitar o último dia são:

• Polynesian Cultural Center – É um centro cultural onde você passa o dia todo e inclui show de hula, alimentação e muitas atividades que te deixam bem perto da cultura havaiana. Valor: 100$

• Byodo-in temple – Templo japonês.

• Kuilima Cove

Tour de barco para ver baleias e golfinhos

– Onde comer

Um dia vou ser muito rica e fazer uns roteiros gastronômicos pelo mundo, enquanto isso minhas dicas ainda são: Mc Donalds, Burguer King, Subway e muita comida no porta malas do carro hahaha. Tirando isso:

• Pra quem está fora de casa a muito tempo – Tem açai em Haleiwa na cidadezinha (norte) e também em um food truck em frente Banzai Pipeline Beach (Norte). Em Pipeline além do açai tem pastel, coxinha e umas maravilhas com duas brasileiras super simpáticas.

• Comida tradicional Havaiana – Cookie Havaiano no Royal Hawaiian Center em Honolulu, Hulihuli Chicken no Waimanolo Restaurant perto de Sandy Beach, Loco Moco ou qualquer hambúrguer com abacaxi no Teddy’s Bigger Burguers em frente a praia Waikiki, procurar por pizza com abacaxi que tem em todo lugar. E tomar todas as cervejas havaianas, vende no mercado e em lojas de conveniência.

– Hospedagem 

Ficamos nos Polynesian Hostel e pra falar a verdade ele foi um dos piores lugares que já fiquei hospedada em questão de estrutura. Mas, é bem barato, a cama é confortável, a localização é perfeita (bem pertinho da praia de Waikiki, Honolulu),  rola uma galera muito legal e até umas panquecas free de manhã. E outra, nós saíamos muito cedo e voltávamos tarde todos os dias, então nem vale a pena pagar muito por hospedagem. Ah, eles também emprestam materiais de mergulho e você não precisa pagar por isso.
Outra opção é o Waikiki Hostel que fica do lado e parece ser mais arrumadinho.

– Transporte 

Nós alugamos carro e isso facilitou muito a nossa vida. Mas se você está sozinho ou não quer gastar com isso, dá pra ir para alguns lugares de transporte público.

– Clima

Faz calor o ano todo no Havaí e em qualquer estação tem as vantagens e desvantagens. Por exemplo, no verão as passagens aéreas estão mais caras e o clima fica muito quente e úmido, então talvez você não consiga passar o dia todo na praia. No inverno o clima está mais ameno (ainda que calor) e você já fica mais a vontade, porém está ventando muito, o mar agitado, ondas gigantes, correnteza e isso faz com que muitas praias mudem de cenário, tanto que por muitas delas ficamos só na areia.

– Outras informações

• Barak Obama, Nicole Kidman, Nicole Scherzinger (The Pussicat Dolls) e Lauren Graham (a Lorelai de Gilmore Girls) nasceram no Havaí. Estou falando que o lugar é abençoado… Só gente linda!

• Existe uma língua havaiana e bastante usada por lá, dá pra ver pelo nome das praias. Mas não é muito fácil de aprender, então só decorei as mais básicas: Aloha (oi) e Mahalo (obrigado).

• Os colares de flores tem um significado importante para os havaianos.

•  Tem muitos (muitos mesmo) japoneses no Havaí.

• Estar no Havaí te faz perceber que a Terra é mesmo redonda. A Autralia e o Japão, por exemplo, estão mais perto do Havaí do que eu que estou na Virgínia, ainda nos EUA. Só eu achei isso uma loucura? haha.

• Não atravesse no farol vermelho em Honolulu, você pode tomar uma multa.

• Tem ABC Store em cada esquina, então se você não achar uma farmácia ou um mercado perto, entra na ABC que lá tem de tudo.

• Não pode beber na praia como em qualquer lugar nos EUA, porém a polícia nunca passa para fiscalizar então muita gente levava cerveja para a praia.

• Em alguns lugares vimos muitas praias sujas em que a galera estava acampando e não se preocupada com resto de comida e lixo na areia. Triste! Vamos cuidar do paraíso, galera!

• As praias que estão perigosas estão com bandeiras vermelhas, sinalização e salva vidas. Ainda sim, se ficar na dúvida pergunta pra galera.

• Tem muito brasileiro no Havaí, mais do que vi em Miami e talvez o mesmo que tem em NYC. Não sei que crise é essa que o pessoal tá falando, haha. Ou será que o surf é nossa segunda paixão mundial?

• Se você tiver pessoas incríveis, que te façam rir até a barriga doer pra viajar com você, sua viagem vai ficar ainda melhor. Essa foi disparada a melhor viagem da minha vida!

Anúncios

Um comentário sobre “Oahu, Havaí – 7 dias no paraíso

Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s